Com risco de novos protestos, Irã fecha cerco contra dissidência

Governo prende defensores dos direitos humanos

18 de julho de 2023 375 visualizações
Postado 2023/07/18 at 12:43 PM
Foto: Majid Asgaripour/WANA

Os governantes clericais do Irã estão reprimindo a dissidência antes do aniversário da morte de uma jovem sob custódia da polícia da moralidade, temendo uma retomada dos protestos em todo o país que abalaram a República Islâmica por meses.

Jornalistas, advogados, ativistas, defensores dos direitos humanos e estudantes foram presos, convocados ou enfrentaram outras medidas em uma campanha que um ativista descreveu como “incutir medo e intimidação”.

Em fevereiro, o Judiciário do Irã anunciou uma ampla anistia, que incluía libertações, indultos ou sentenças reduzidas para os presos, acusados ​​ou detidos durante os distúrbios anteriores.

Autoridades do Judiciário iraniano não estavam imediatamente disponíveis para comentar a situação atual.

No entanto, personalidades do alto escalão defenderam a nova repressão como necessária para manter a estabilidade. Mas alguns políticos disseram que a crescente repressão poderia aprofundar uma crise entre a liderança clerical e a sociedade em geral em um momento de descontentamento popular com os problemas econômicos.

A polícia anunciou nesse domingo (16) que a força policial da moralidade intensificou a repressão às mulheres que desrespeitam o código de vestimenta obrigatório. Em uma demonstração de desobediência civil, mulheres sem véu têm aparecido com frequência em público desde a morte de Mahsa Amini, de 22 anos, em 16 de setembro do ano passado.

Morte

Amini entrou em coma e morreu três dias depois, após sua prisão pela polícia da moralidade por supostamente violar o código de vestimenta islâmico.

O incidente liberou anos de raiva reprimida sobre questões que vão desde o aperto dos controles sociais e políticos até as dificuldades econômicas, desencadeando a pior crise de legitimidade do establishment clerical em décadas.

Uma antiga autoridade sênior iraniana disse que as autoridades não devem ignorar a realidade desta vez.

“As pessoas ainda estão zangadas com a morte de Amini e frustradas por causa de sua luta diária para trazer comida para suas mesas”, disse a fonte, pedindo para não ser identificada.

“Decisões erradas podem ter consequências dolorosas para o establishment. As pessoas não aguentam mais pressão. Se continuar, veremos protestos de rua novamente,”, alertou.

A mídia social foi inundada com comentários raivosos de iranianos criticando o retorno da polícia da moralidade, que havia praticamente desaparecido das ruas desde que Amini morreu sob sua custódia.

Fonte: Agência Brasil

Compartilhar esse Artigo
Pesquisar