Petróleo desaba mais de 10%, com acenos de solução da guerra na Ucrânia e oferta

9 de março de 2022 11 visualizações
Postado 2022/03/09 at 5:34 PM
Foto: Zbynek Burival/Unsplash

O petróleo fechou em forte queda nesta quarta-feira, 9, após altas robustas da sessão desta terça-feira, 8. O foco do mercado nesta quarta continuou sendo a guerra na Ucrânia, em meio a um cessar-fogo para evacuação de civis e com acenos de autoridades pela solução do conflito. Além disso, investidores acompanharam a liberação emergencial de estoques do óleo e dados semanais do Departamento de Energia (DoE) norte-americano.

Na New York Mercantile Exchange (Nymex), o barril do petróleo WTI com entrega prevista para abril fechou em queda de 12,12% (US$ 15,00), a US$ 108,70. Enquanto o do Brent para maio perdeu 13,16% (US$ 16,84) na Intercontinental Exchange (ICE), a US$ 111,14.

Os contratos futuros do petróleo operavam em alta durante a madrugada, porém, a commodity passou a cair com a notícia de que a Agência Internacional de Energia (AIE) informou que os Estados membros já liberaram 62,7 milhões de barris de maneira emergencial de seus estoques.

Depois, só acelerou as quedas em meio a um cessar-fogo para permitir a fuga de habitantes na região que circunda Kiev, enquanto investidores monitoravam as perspectivas de diálogo para uma eventual solução no conflito.

O vice-chefe de gabinete do presidente ucraniano, Ihor Zhokva, afirmou que a Ucrânia está disposta a discutir neutralidade em relação à Organização do Tratado do Atlântico Nort(Otan).

O óleo chegou a reduzir perdas com o relatório semanal do DoE, que mostrou que os estoques de petróleo nos Estados Unidos caíram 1,863 milhão de barris, a 411,562 milhões de barris, na semana encerrada em 4 de março, mas intensificaram as quedas após o presidente da Ucrânia, Volodymyr Zelensky, afirmar estar preparado para fazer concessões em prol de terminar a guerra.

Para Edward Moya, da Oanda, além da fala de Zelensky, os preços do petróleo caíram à medida que cresce o otimismo de que o impacto econômico das sanções está pesando na economia russa, e que o presidente da Rússia, Vladimir Putin, pode tentar evitar uma longa guerra.

De acordo com o Julius Baer, o isolamento de Moscou deixa uma lacuna no mercado de petróleo. “O mundo não está prestes a ficar sem petróleo. Estamos testemunhando uma crise de preços e não uma crise de oferta”, destacou, em relatório enviado a clientes.

Apesar das quedas desta quarta, segundo a Rystad Energy, na pior das hipóteses, o preço do barril de petróleo poderá atingir US$ 240 em meados do ano se países ocidentais adotarem sanções em massa contra exportações de petróleo russo.

Fonte: Estadão Conteúdo

Compartilhar esse Artigo

Navegue