Produtoras rurais ganham piquenique no Zoo de Brasília

20 de dezembro de 2021 378 visualizações
Postado 2021/12/20 at 11:47 AM
Fotos: Divulgação/Emater-DF

Cerca de 40 produtoras rurais do Jardim II, Vargem Bonita e Brazlândia, acompanhadas de filhos e netos, deram pausa na lida do campo e participaram de um farto piquenique organizado pela Emater-DF. A ação é um prêmio simbólico pela arrecadação de 4,5 toneladas de alimentos, perecíveis e não perecíveis, durante a gincana do 7º Encontro Distrital de Mulheres Rurais.

A equipe vencedora é do Núcleo Rural Jardim II, que entregou 2,3 toneladas de alimentos não perecíveis e verduras. O segundo lugar ficou para Vargem Bonita, que conseguiu arrecadar 1,2 tonelada. O terceiro lugar coube a Brazlândia, que levou 976 kg. Os alimentos foram distribuídos para entidades beneficentes em situação de insegurança alimentar das regiões administrativas do Núcleo Bandeirante e Estrutural.

Segundo a extensionista rural da Emater-DF, Selma Tavares, o piquenique representa mais que uma premiação, é um momento de interação, valorização do empenho das mulheres, desde a organização e gestão dos grupos durante a campanha até a entrega deles no 7º Encontro Distritral de Mulheres Rurais. “As produtoras rurais também têm suas dificuldades, mas se uniram para ajudar outras pessoas neste momento tão difícil”, acrescentou Selma.

“Essa atividade é como se fosse um presente, um prêmio simples, mas que elas podem aproveitar este momento com o meio ambiente, de conversas entre elas, se divertindo. Um dia de lazer para a mulher rural”, disse a extensionista da Emater-DF.

A equipe do Jardim II conseguiu, em apenas 15 dias, recolher junto aos produtores e moradores da região mais de 2 toneladas de cestas básicas e muitas verduras. Suely de Britos Alves é produtora da região há 15 anos e conta que são bicampeãs porque a comunidade é muito parceira da Emater e entende que, apesar das dificuldades deles, tem muita gente precisando mais e as doações ajudam muito. A equipe também venceu a gincana da edição de 2019.

A produtora rural participou do piquenique no Zoológico de Brasília, acompanhada de dois netos, e estava ansiosa pelo dia de folga. “A vida no campo não tem diversão e não tem folga. É trabalho todo dia. Esse passeio oferecido pela Emater-DF é uma maravilha, esperei com muita ansiedade”, falou Suely Alves. O piquenique foi realizado na sexta-feira passada (17).

Raimunda Rufino é cearense de Hidrolândia, mas veio para Brasília com a família em 1970. Desde então, lida na roça para resgatar a história do pai, que sempre trabalhou como agricultor. Moradora de Vargem Bonita, a produtora afirmou que não passeava desde o início da pandemia.

“Meu coração está muito feliz hoje, estou realizando um sonho. Tem dois anos que não saio de casa para me divertir. Muitos ensinamentos que aprendi no campo foi com a equipe de Vargem Bonita. E também, a gincana ensina que um pouquinho que um dá daqui, outro dá dali, ajuda muita gente”, declarou.

Jardim Zoológico

O piquenique para as mulheres rurais foi organizado pela Emater-DF em parceria com a Fundação Zoológico de Brasília, que preparou uma programação contemplando lazer e atividades educativas.

A diretora-presidente do Zoológico, Eleutéria Pacheco, participou da ação e falou que a equipe da instituição organizou com carinho um dia muito especial às mulheres rurais. “Parabenizo essas mulheres guerreiras, que fizeram tanto para ajudar quem tanto precisa. Pensamos em algo diferente para elas, que possa agregar conhecimento, lazer, alegria, educação e preservação do meio ambiente”, afirmou Eleutéria Pacheco.

O piquenique das produtoras rurais iniciou com o café com prosa, em seguida, elas participaram das atividades: visitando os bichos com orientação de monitores, almoço, interação com a equipe do Zoo.

Para a economista doméstica da Emater-DF, Luciana Silva, confraternizar com as produtoras rurais é muito gratificante. “Eu atendo os produtores do Jardim II, sinto neles uma extensão do termo família. Sei o quanto era esperado por elas este dia de diversão e lazer. Elas estavam muito ansiosas para dar uma pausa no trabalho do campo”.

*Com informações da Emater-DF

Fonte: Agência Brasília

Compartilhar esse Artigo
Pesquisar