Setor de serviços impulsiona mais vagas no mercado de trabalho

IPEDF e Dieese apresentaram, nesta terça-feira (25), o resultado da Pesquisa de Emprego e Desemprego do DF; também foi apresentado o boletim anual Mulheres Negras

25 de julho de 2023 350 visualizações
Postado 2023/07/25 at 1:52 PM
Foto: Marcelo Camargo/Agência Brasil

O Instituto de Pesquisa e Estatística do Distrito Federal (IPEDF) e o Departamento Intersindical de Estatística e Estudos Socioeconômicos (Dieese) apresentaram, nesta terça-feira (25), os resultados das pesquisas de Emprego e Desemprego do Distrito Federal, da Periferia e da Área Metropolitana de Brasília. Também foi apresentado o boletim anual Mulheres Negras, em alusão ao Dia Internacional da Mulher Negra Latino-Americana e Caribenha, celebrado em 25 de julho.

A taxa de desemprego no DF passou de 16,5% em maio para 16,3% em junho. Essa relativa estabilidade se deve a dois fatores: aumento de ocupados por um lado (+17 mil postos de trabalho) e crescimento da População Economicamente Ativa por outro (+16 mil pessoas com 14 anos ou mais ocupadas ou desempregadas), provocando um equilíbrio.

O aumento de ocupados foi observado no setor de Serviços (+19 mil) e na Indústria de transformação (+2 mil). O volume se manteve relativamente estável no Comércio e reparação (-1 mil) e diminuiu na Construção (-4 mil). O contingente de assalariados do setor privado com carteira assinada cresceu em 11 mil pessoas e do setor público em seis mil.

Nos 12 municípios goianos vizinhos ao Distrito Federal (Águas Lindas, Alexânia, Cidade Ocidental, Cocalzinho, Cristalina, Formosa, Luziânia, Novo Gama, Padre Bernardo, Planaltina de Goiás, Santo Antônio do Descoberto e Valparaíso) que compõem a Periferia Metropolitana de Brasília (PMB), a taxa de desemprego passou de 19,1% em maio para 18,6% em junho.

Já na Área Metropolitana de Brasília (AMB), que abrange o DF e a PMB, a taxa de desemprego passou de 17,2% em maio para 16,9% em junho, devido ao aumento de ocupados (+16 mil postos de trabalho) em volume superior ao crescimento da População Economicamente Ativa (+12 mil pessoas).

Boletim Mulheres Negras

Em 2022, 1.264 mil mulheres negras faziam parte da População em Idade Ativa (14 anos ou mais) da AMB, correspondendo a 35,9% do total de pessoas em idade para trabalhar na região. Entre os quatro grupos definidos por sexo e raça/cor, as mulheres negras formavam o maior deles, seguidas pelos homens negros (32,4%), mulheres não negras (17,8%) e homens não negros (13,9%). A presença das mulheres negras na População em Idade Ativa do DF alcançou 33,6% em 2022, enquanto na PMB essa proporção era de 42,1%.

Entre as mulheres negras da Área Metropolitana de Brasília, 68,4% residiam no Distrito Federal e 31,6% na Periferia Metropolitana de Brasília. Na PMB, as mulheres negras respondiam por 52,4% da população inativa e por 37,5% da População Economicamente Ativa. No DF, apesar de as diferenças serem menos acentuadas, as mulheres negras correspondiam a 38,4% dos inativos e 30,9% dos economicamente ativos. Na AMB, esses percentuais eram de 41,8% e 32,8%, respectivamente.

No Distrito Federal, as mulheres negras correspondiam a 29,5% dos ocupados, um contingente de 412 mil com trabalho remunerado. Em contrapartida, representavam 38,7% dos desempregados, contabilizando 98 mil nesta situação. Nos municípios goianos que compõem a Periferia Metropolitana de Brasília, essas proporções ficaram em 35,3% e 46,9%, respectivamente. Na Área Metropolitana de Brasília, as mulheres negras formavam o maior grupo de trabalhadores em desemprego (41,3%) e respondiam por 31,1% dos ocupados.

Confira os boletins PED-DFPED-PMBPED-AMB e Mulheres Negras.

*Com informações do IPEDF

Fonte: Agência Brasília

Compartilhar esse Artigo
Pesquisar