Biden: Aprovação de ajuda à Ucrânia é sinal da liderança americana na cena mundia

20 de abril de 2024 78 visualizações
Postado 2024/04/20 at 6:05 PM
Foto: Tom Brenner

Tão logo o pacote de ajuda à Ucrânia, de US$ 60 bilhões, foi aprovado pelos deputados americanos, o presidente dos Estados Unidos, Joe Biden, divulgou nota na qual diz que os deputados votaram para promover os interesses de segurança nacional do país e enviar uma mensagem clara sobre o poder da liderança americana na cena mundial.

No comunicado, Biden diz ainda que o pacote proporcionará um apoio fundamental a Israel e à Ucrânia; fornecerá a ajuda humanitária “desesperadamente necessária” a Gaza, ao Sudão, ao Haiti e a outros locais afetados por conflitos e catástrofes naturais em todo o mundo; e reforçará a segurança e a estabilidade no indo-pacífico.

“Chega num momento de grande urgência, com Israel enfrentando ataques sem precedentes do Irã e a Ucrânia sob bombardeios contínuos da Rússia”, diz o presidente americano, que ainda pediu que o Senado envie rapidamente a autorização de gasto para a Casa Branca para que ele possa sancioná-la “e possamos enviar rapidamente armas e equipamentos para a Ucrânia para atender às suas necessidades urgentes no campo de batalha”.

Pelas redes sociais, o presidente da Ucrânia, Volodymyr Zelensky, disse que estava “grato à Câmara dos Representantes dos Estados Unidos, a ambos os partidos e pessoalmente ao presidente da Câmara dos Representantes americana Mike Johnson pela decisão que mantém a história no caminho certo”. Fonte: Dow Jones Newswires, com agências internacionais.

Aprovação faz parte de pacote

A Câmara aprovou um pacote de cerca de US$ 60 bilhões para financiar auxílio e armas para a Ucrânia, depois que o presidente da Casa, Mike Johnson, colocou sua carreira política em risco para fazer com que a medida há muito paralisada ultrapassasse a intensa oposição republicana.

A Câmara considerou a medida como parte de um pacote de ajuda mais amplo, de US$ 95 bilhões. Os legisladores votaram quatro medidas distintas para a Ucrânia, Israel e Taiwan, e outro projeto de lei que forçaria a venda do TikTok por seu proprietário, controlado pela China.

A primeira votação, sobre o TikTok e as sanções relacionadas ao Irã e à Rússia, foi aprovada por 360 votos a 58, e a ajuda a Taiwan também foi aprovada com facilidade.

A votação sobre a Ucrânia – a mais controversa das quatro – passou por 311 votos a 112, com apoio de todos os democratas e de menos da metade dos republicanos.

As medidas serão agrupadas e enviadas ao Senado, onde os líderes prometeram aprová-las rapidamente.

“Mesmo que não seja a legislação perfeita, não é a legislação que escreveríamos se os republicanos estivessem no comando da Câmara, do Senado e da Casa Branca, este é o melhor possível que podemos obter nestas circunstâncias”, disse Johnson (do Partido Republicano).

Cerca de US$ 60 bilhões da proposta destinam-se a ajudar a Ucrânia a combater a invasão russa, ao mesmo tempo que financiam a indústria de defesa dos EUA. A medida também contém US$ 26 bilhões para Israel, em ajuda direta, bem como dinheiro para reabastecer os arsenais dos EUA e apoiar as operações do país na região. A proposta destina cerca de US$ 8 bilhões para apoiar Taiwan, e também como ajuda humanitária para Gaza.

A votação na Câmara ocorre após meses de atraso e no momento em que Johnson falou em termos severos sobre como enfrentar os adversários globais da América. Johnson tem uma pequena maioria de 218-213 na Câmara, o que o leva a depender cada vez mais dos votos democratas para aprovar legislação crítica, que vai desde manter o governo aberto a poderes de espionagem controversos e agora financiar aliados estrangeiros.

O Senado aprovou o seu próprio projeto de lei de ajuda externa com apoio bipartidário no início deste ano, e o presidente Joe Biden, legisladores republicanos ligados à pauta da defesa e muitos democratas instaram Johnson a aceitá-lo. Mas ele adiou a tomada de decisão, já que o seu flanco direito insistiu que qualquer medida de ajuda incluísse uma proposta republicana da Câmara que reprimisse a migração na fronteira entre os EUA e o México, um obstáculo para os democratas no Congresso.

Os atrasos na ajuda dos aliados ocidentais fizeram com que as forças ucranianas tentassem conter um exército muito maior com recursos cada vez menores. A Rússia obteve ganhos no leste do país enquanto atacava cidades ucranianas e infraestruturas críticas com mísseis para minar as defesas aéreas do país. Os EUA gastaram mais de US$ 100 bilhões na guerra da Ucrânia desde a invasão russa em fevereiro de 2022.

Johnson havia indicado nas últimas semanas que estava perto de uma decisão, e os acontecimentos o levaram a agir. No fim de semana passado, o Irã lançou mais de 300 drones e mísseis contra Israel, colocando o pacote mais uma vez no centro das atenções dos membros do Congresso. Os líderes republicanos abandonaram a sua agenda planejada de projetos de lei partidários para responder ao ataque.

Johnson anunciou na segunda-feira, 15, que avançaria não apenas com a ajuda a Israel, mas também com um projeto abrangente de ajuda externa. Ele abraçou efetivamente a abordagem do Senado, mas dividiu em quatro projetos de lei, com itens adicionais incluídos, dando aos legisladores a oportunidade de votar a favor ou contra diferentes fatias de ajuda e políticas. O plano oferece auxílios – US$ 9,5 bilhões em ajuda econômica à Ucrânia – sob a forma de um empréstimo perdoável, em vez de uma subvenção, para satisfazer as exigências de alguns críticos.

Johnson, que já havia votado contra a ajuda à Ucrânia antes de se tornar presidente da Câmara, disse que foi motivado pela inteligência que viu sobre a guerra. Os presidentes da Câmara são os segundos na fila para a presidência, atrás do vice-presidente, e têm acesso a ele. (COM AGÊNCIAS INTERNACIONAIS)

Fonte: Estadão Conteúdo

Compartilhar esse Artigo
Pesquisar